Séries e filmes na Netflix que facilitam a conversa sobre temas tabu

O final de semana está quase chegando, e claro, que nós do Febre Teen separamos uma listinha para você, se você não tem um rolê programado ou até mesmo coisas da escola, pode descansar e aproveitar maratonando algo na Netflix. E dessa vez, separamos filmes e séries com o intuito de te sensibilizar e fazê-lo refletir sobre alguns assuntos – ainda, não muito falados na nossa sociedade.

The Fosters

“The Fosters” retrata a família de um casal de lésbico com três filhos, parece simples, mas é cheio de desafios, como quando Callie e Brandon começam a se apaixonar, por isso, a série também toca na questão do incesto. Com outras questões que não costumavam ser tratadas com tanta naturalidade sobre o relacionamento LGBT, a série “The Fosters”, é uma das melhores séries ao abordar a representatividade, a série é uma crítica social que mostra ao público que mesmo não tendo um pai, e sim duas mães, uma família vai continuar sendo igual a qualquer outra: com seus problemas, dilemas, emoções e amor.

Atypical 

A série acompanha um jovem de 18 anos com autismo em sua busca por um amor e independência. Sua jornada de autodescoberta é tão divertida quanto dramática e tem um impacto em toda a sua família, forçando-os a lidar com as alterações em suas próprias vidas. Em cada episódio, conseguimos ver Sam se conhecendo ainda mais e questionando o que é ser normal?

The Fundamentals of Caring

Um escritor preso ao seu passado, que sofreu muitas perdas, abandona suas antigas aspirações como escritor e passa a cuidar de Trevor portador de uma doença degenerativa rara muito incomum. Na jornada de autodescoberta e superação uma garota em fuga, e outra que está grávida e precisa de uma carona. Uma verdadeira road movie – que fará você se apaixonar. E o melhor, temos Selena Gomez atuando.

Histórias Cruzadas

Com um cast incrível, e com mulheres fortes, o filme retrata sobre Jackson, pequena cidade no estado do Mississipi, nos anos 60. Skeeter é uma garota da sociedade que retorna determinada a se tornar escritora, e para iniciar, ela começa a entrevistar as mulheres negras da cidade, que deixaram suas vidas para trabalhar na criação dos filhos da elite branca, da qual a própria escritora faz parte. Aibileen Clark, a emprega da melhor amiga de Skeeter, é a primeira a conceder uma entrevista, o que desagrada a sociedade como um todo. Já que os anos 60 era uma ano bastante que, racista. Apesar das críticas, Skeeter e Aibileen continuam trabalhando juntas e, aos poucos, mostram a sua força e nos ensinam grandes histórias.

Alex Strangelove

Claro que não ia faltar uma comédia romântica. A história é a seguinte, Alex Truelove – sim, esse é o sobrenome deleé um aluno exemplar do último ano do Ensino Médio. Ele tem um grande futuro pela frente, mas antes de se formar ele quer alcançar o último marco da adolescência: perder a virgindade com a sua namorada, Claire, igual aqueles clichês americanos que nós amamos. Então tudo se complica quando ele conhece Elliot, um charmoso menino gay que sem querer põe Alex em uma jornada de autodescoberta.

O Minimo para Viver

Assim como “Thirteen Reasons Why”, o filme não agradou a todos e gerou polêmicas. Ellen é uma jovem de 20 anos com anorexia nervosa, percorre um caminho difícil quanto divertido para conhecer a si mesma, ao lado de um médico pouco convencional, a história retrata, de forma explicita, a luta contra a anorexia. Sendo um dos melhores papeis de Lily Collins, a história precisa ser mostrada e discutidos socialmente, e não teria o porque ser diferente com a anorexia.

Cara Gente Branca

A série retrata um pouco da realidade de alunos negros que entram em uma universidade de elite, que é ocupada, por pessoas brancas. Durante a história, inúmeros assuntos e discussões sobre o racismo é debatido e mostrado. E nessa forma, a série mostra a necessidade de se falar sobre assunto, ainda muito presente na nossa sociedade.

 Conta aqui pra gente qual você mais gostou!
André Luiz Freitas

23 anos, viciado em músicas, séries, filmes e shows! Instagram: @andreluizfreitas_

Não há comentários ainda

Comentários

Seu email não será publicado.