CRÍTICA: Noah Urrea brilha interpretando dois papéis no drama independente, ‘A Wake’

Se você conhece Noah Urrea como cantor e músico, integrante do Now United, prepare-se para conhecer uma outra faceta do americano. Em ‘A Wake’, o cantor de 19 anos nos deixa com o coração na boca em cenas dramáticas e cheias de emoção que você nem reconhece que é ele próprio por estarmos tão acostumados a vê-lo feliz e sorrindo a toa.

Disponibilizado oficialmente na plataforma Vimeo com legendas em português, o filme traduzido como ‘O Velório’ tem direção e roteiro de Scott Bosswell e além de Noah, o elenco também conta com Kolton Stewart no papel de Jameson e Sofia Rosinsky como a menina Molly. A história gira em torno dos irmãos gêmeos Mason e Mitchel, ambos interpretados por Urrea. Na trama, após a morte de Mitchel, Mason ainda sente a presença do irmão gêmeo e embarca numa aventura de autoconhecimento para tentar entender o que está acontecendo.

Reprodução/Divulgação

Atenção, a partir daqui o texto pode conter spoilers do filme!

‘A Wake’ é um prato cheio para quem curte um bom filme de drama, mas cuidado, pois ele pode conter alguns gatilhos para quem é mais sensível. Em diversos momentos a tensão e a carga dramática é tão grande, que você apenas consegue liberar em lágrimas. Não que isso seja ruim, afinal, a proposta do filme é exatamente essa e Scott dirigiu o enredo com maestria, e mesmo não sendo tão conhecido, o diretor traz na bagagem outros 8 filmes em que leva os créditos.

A história de início pode parecer só mais um filme sobre espíritos, já que Mason recorre a um tabuleiro Ouija para contatar o irmão, mas vai bem além disso. A família em que os gêmeos cresceram é extremamente religiosa e Mitchel escondia um segredo: ele era gay e estava em um relacionamento sério com Jameson, escondido. O enredo passa por toda uma problemática ao redor disso e também sobre o que o jovem Mitchel passava apenas por ser quem ele era, com a pressão que enfrentava, começou a tomar comprimidos para o ajudar a lidar com isso.

Não deve ser fácil interpretar dois personagens que apesar de serem idênticos na aparência, são completamente diferentes em personalidade e pensamentos e também não é surpresa que Noah Urrea faz isso brilhantemente. Em seu ´primeiro trabalho como ator principal, o americano consegue nos conquistar com cada um dos irmãos e entrega uma atuação impecável.

Reprodução/Divulgação

Mitchel com seu jeito mais vulnerável e introvertido, Mason mais explosivo e expressivo. Leva um tempo para que você conheça cada um e aprenda a diferenciar as cenas, mas não se torna nenhum pouco difícil uma vez que se entende a personalidade de cada, o que torna o trabalho de Noah em interpretar dois irmãos ainda mais maravilhoso. Ver esse outro lado do cantor conhecido se torna prazeroso, principalmente quando nas cenas de tensão e de drama, Urrea deixa estampado em suas expressões, posturas e tom de voz como é um ótimo ator.

As cenas mais emocionantes ficam, claro, a cargo da relação entre Mitchel e Mason. São diversos momentos onde temos que respirar fundo e controlar o choro na garganta, como quando estão na beira do lago discutindo e Mitchel pede, com a voz completamente destruída, para que Mason não o abandone. O maior impacto também fica sobre os ombros de Mason quando este diz ao terapeuta, logo no início, que não chorou pela morte do irmão porque não precisava, mas no fim de ‘A Wake’, cai num choro sofrido e pesado. Um viva para a atuação, mais uma vez impecável, de Noah Urrea nessa cena.

Em uma recente live no Instagram, Noah comentou sobre o filme e sobre sua cena favorita:

“Minha cena favorita foi a cena da briga, eu tinha todo esse sangue falso saindo da minha boca e eu sempre quis filmar uma cena dessas” e ainda acrescentou sobre como foi filmar ‘A Wake’, “Foi super intenso, desafiador e incrível”

Outra personagem que chama bastante atenção é a pequena Molly, irmã mais nova dos gêmeos. Interpretada por Sofia Rosinsky, a caçula da família pode de início parecer metódica e explosiva demais, mas a verdade é que ela está traumatizada pela morte do irmão, além de ter sido quem encontrou o corpo sem vida de Mitchel. Pode-se achar que ela é mal criada ou até mesmo mimada, mas depois que se percebe que tudo que ela queria era homenagear o irmão do jeito certo, ficamos com o coração quentinho por ela.

Reprodução/Divulgação

Mesmo sendo de uma produtora independente, nada no filme deixa a desejar. Scott e a Paperback Films fizeram um ótimo trabalho com a fotografia e com a edição, principalmente quando se trata das cenas em que os gêmeos aparecem juntos. Por serem interpretados pelo mesmo ator, tiveram que fazer uso de uma técnica bastante comum que o ator compartilhou na live no Instagram: Noah tinha que encenar olhando para uma bola de tênis, fingindo que era seu outro ‘eu’. Assim, na edição, o outro gêmeo era adicionado no lugar da bola de tênis.

Num geral, ‘A Wake’ é um filme ótimo se você quiser ter boa atuação em uma história mais profunda do que parece ser. Scott Boswell e toda a equipe envolvida podem, e devem, sentir orgulho de ter seus nomes envolvido nesse projeto que foi vencedor do prêmio Big Apple Film Festival na categoria Melhor Filme LGBTQ+. Noah Urrea mostra um lado que não é tão conhecido e estamos de queixo caído por ver a sua atuação, e temos certeza que ele terá um futuro brilhante no cinema se assim quiser! ‘A Wake’ está disponível na plataforma Vimeo por 1.99 dólares, estamos ansiosos para ver mais de Noah na pele de outras pessoas como ator!

Giovanna Santos

20 anos, estudante de Jornalismo e muito apaixonada pelo que faço. Amo músicas, séries e filmes <3 Instagram e Twitter: @gi_cavalcantii

Não há comentários ainda

Comentários

Seu email não será publicado.