Any Gabrielly se abre sobre racismo no fandom do Now United: “Se eu cometer um errinho vou ser julgada para sempre”

Nesta quinta-feira, 3, Any Gabrielly participou de uma live de extrema necessidade no Instagram da Fatou Ndiaye, onde as duas conversaram principalmente sobre racismo e como às vezes o preto não ganha o reconhecimento que merece por seu trabalho.

+ Any Gabrielly fala sobre falta de reconhecimento no começo da carreira: “Só quero que reconheçam meu talento”

Fatou perguntou para a integrante brasileira do Now United como ela lida com o racismo nas redes sociais, que às vezes parte até de pessoas que se dizem fãs do grupo.

“É um pouco frustrante isso, porque não entra na minha cabeça como a cor pode determinar tanta coisa sobre como a sua vida pode ser. O negro nunca é o favorito, o negro nunca é o que o povo comenta mais sobre, e isso é muito triste. Dá até uma vontadezinha de chorar, mas é verdade”

A cantora falou que mesmo com o trabalho duro, o reconhecimento infelizmente não é o mesmo.

“É frustrante demais, porque a gente tá sempre ali trabalhando, as vezes fazendo um trabalho melhor do que outras pessoas e não tem esse reconhecimento. Parece que já é inerente ali na pessoa ela gostar mais daquela pessoa que tá mais naquela questão do privilégio”

+ YouTubers gringos ficam impressionados com potência vocal de Any Gabrielly e nós os entendemos

Fatou comentou que mesmo a cantora sendo a mais seguida de todos os integrantes do Now United, no início do grupo ela via que Any e Diarra Sylla estavam sempre se esforçando o máximo e não tinham o reconhecimento que mereciam, e que tem sim uma questão racial por trás disso, e a brasileira comentou sobre o assunto.

“Tem, é isso. E antes eu achava que não. É bizarro porque eu também tive que aprender porque é uma coisa do estrutural que às vezes até as pessoas que vivem isso não conseguem perceber sabe?”

Any revelou que vem prestando atenção nas mínimas coisas e percebeu que quando ela comete um erro isso se torna uma coisa enorme e as pessoas acabam a julgando pelo resto da vida, enquanto outras pessoas privilegiadas cometem erros enormes e as pessoas simplesmente passam a mão na cabeça.

“Agora eu presto atenção. Às vezes são as mínimas coisas. Por exemplo se eu fizer um erro assim [pequeno] eu vou ser julgada, crucificada, apedrejada para sempre. Agora se uma pessoa que já tá numa posição de privilégio, que é mais padrãozinha cometer um erro assim [grande] ‘ah não, mas a pessoa vive numa bolha, ela tem que aprender, mas tudo bem a gente tem que dar o tempo dela’, tem tudo isso sabe? E eu fico com ódio porque eu falo ‘cara, eu sou julgada até hoje por um erro que eu cometi há sei la, há 2 anos atrás, um erro desse tamanho [pequeno], e tem um monte de gente aí que tá cometendo erros assim grotescos, absurdos real, que ferem a vida, a autoestima e os valores de várias outras pessoas no mundo, e essas pessoas tão sendo protegidas”
Reprodução: (Hayley Costey)
+ Taís Araujo fala sobre a importância da representatividade de Any Gabrielly para os jovens

A cantora ainda terminou o assunto dizendo o quanto isso a abalava e como hoje ela mudou seu jeito de lidar com esse assunto.

“Antes eu ficava revoltada, tentava concertar isso. Eu fiquei muito mal uma época por não conseguir controlar essas situações porque são coisas que estão acima de mim. Mas hoje em dia eu deixo e tento só educar da forma que eu posso. Eu sempre falo no meu nome. Eu tento passar a mensagem e se a pessoa pegar a mensagem ‘bom, ótimo, maravilhoso’, e se ela se educar, ótimo. Mas eu não tento mais controlar o que as pessoas acham porque é complicado e também me machuca. Então eu faço o meu”

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Ndeye Fatou Ndiaye (@fatouoficial) em

Karen Cesar

Twitter: @kaarencesar Instagram: @karencesar_

Não há comentários ainda

Comentários

Seu email não será publicado.