Fale conosco

O que vc está procurando?

Filmes

Disney responde processo de Scarlett Johansson pelo lançamento ‘Viúva Negra’ e advogado da atriz rebate

Reprodução | The Walt Disney Studios
The Walt Disney Studios

A emissora decidiu responder o processo que se tornou público na tarde dessa quinta-feira, 29.

O  The Wall Street Journal divulgou um processo aberto Tribunal Superior de Los Angeles, de Scarlett Johansson pelo lançamento de “Viúva Negra” e a Disney então respondeu nessa quinta-feira, 29.

Segundo as queixas da atriz, o processo seria então por quebra de contrato. Isso porque, ele garantia o lançamento do filme exclusivamente para os cinemas.

Mas, depois de muitos atrasos da pandemia,  Disney decidiu confirmar o lançamento nos cinemas, em julho, em paralelo com o streaming.

+ Viúva Negra: tudo sobre Yelena Belova, personagem de Florence Pugh

Exclusivamente para Variety, a Disney respondeu ao processo de Scarlett Johansson pelo lançamento de “Viúva Negra”:

“Não há mérito algum nesse processo. A acusação é, principalmente, triste e angustiante por seu desrespeito implacável pelos terríveis e prolongados efeitos globais da pandemia de COVID-19. O lançamento de Viúva Negra no Disney+ com o Premier Access significativamente garante a possibilidade dela ganhar seu adicional. Acima ainda dos $20 milhões de dólares que ela recebeu até agora.”

Já o advogado representante da atriz, John Berlinski, também respondeu a Variety em relação ao processo:

“Não é segredo que a Disney está lançando filmes como Viúva Negra diretamente no Disney Plus para aumentar o número de assinantes. E, assim, aumentar o preço das ações da empresa – e que está se escondendo atrás da Covid-19 como pretexto para isso. Mas ignorar os contratos dos artistas responsáveis ​​pelo sucesso de seus filmes em prol dessa estratégia míope viola seus direitos. E esperamos provar isso no tribunal. Certamente, este não será o último caso em que o talento de Hollywood enfrentará a Disney. E queiro deixar claro que, independentemente do que a empresa possa fingir, tem a obrigação legal de honrar seus contratos.”